quinta-feira, 10 de março de 2011


Ultimamente tenho pensado bastante em questões relacionadas connosco, tenho pensado bastante em tudo o que criámos, em tudo o que me és e no medo que tenho em perder-te. Sabes, sinto-me de certa forma um pouco incomodada quando oiço «tudo tem um fim» pois parte de mim sabe que essa afirmação é quase verdadeira, mas por outro lado, quando o oiço e penso em nós, sinto-me calma e sinto-me descansada porque me lembro de tudo aquilo que prometemos, lembro-me de que «seremos a prova viva de que um “para sempre” existe».
Embora saiba isto, é inevitável que de vez em quando não pense novamente neste assunto e fique invadida pelo medo, mas depois vens tu e afastas todos esses medos, substituis tudo isso e enches-me de alegria, de convicção e certezas, certezas de que não necessito de ter medo pois não há razão para tal.
Pode ser um pouco disparatado, mas na minha mente algo me diz que às vezes as pessoas que tanto temem o fim são elas próprias a causa de tal acontecimento. Por vezes, têm tanto medo que passam a viver nele, passam a viver no medo constante e dessa forma tendem a procurar mil e uma maneiras complexas de evitar o tão temido fim. Desperdiçam tempo em tentar evitar algo que inevitavelmente estão a provocar sem darem conta. O tempo consegue ter muitos efeitos em tudo, e com o tempo desperdiçado as coisas acabam por desvanecer, acabam por perder o tal brilho inicial, e assim começa a chegar o início do fim. Quando as pessoas se apercebem de tal acontecimento já é tarde para tentar remediar algo. Na maior parte das vezes já nem se dão ao trabalho de tentar remediar, porque não têm nada suficientemente forte que as incentive a fazê-lo pois, em vez de terem aproveitado o tempo para criarem momentos inesquecíveis que mais tarde seriam agradáveis memórias, desperdiçaram-no a tentar arranjar maneiras para evitar o que acabariam por provocar sem se aperceberem.
Admito que é normal, e de certa forma saudável, que o medo de vez em quando se encontre presente pois o medo é um dos factores que mostra que o que existe é inexplicavelmente forte, verdadeiro e essencial.
Eu acho que nós não temos de nos preocupar com este assunto, e digo isto pois sem nos apercebermos criámos uma maneira fácil, simples, e que não incluí desperdício de tempo. O facto de estarmos sempre juntas, de nos apoiarmos mutuamente, de partilharmos cada momento (…) de continuarmos unidas independentemente do que digam ou façam é a maneira mais simples que podíamos ter encontrado, ou melhor, a maneira mais simples que podíamos ter criado pois não precisámos de procurar para a encontrar, criámo-la, é a nossa maneira.
Eu irei continuar a partilhar todos os momentos da minha vida contigo, todos sem excepção porque acredita que já não consigo viver sem te ter presente. Já não consigo continuar sem o teu apoio, sem a força que me dás, sem te ter a meu lado a reconfortares-me daquela tua maneira única. Não consigo passar um dia sem ouvir a tua voz, não consigo passar um dia sem te dizer nada, não consigo passar um dia sem dizer que te amo e que nunca te vou deixar. Eu não pensarei no fim pois sei que isso não existirá entre nós, eu não viverei no medo constante pois não quero desperdiçar nem um segundo do nosso tempo, não irei viver no medo constante pois estarei constantemente contigo, e ao estar a teu lado não terei de me preocupar. Tenho mais do que certeza que seremos um sempre pois juntas, a cada dia que passa, continuaremos a criar um momento cada vez melhor que ficará para sempre na nossa memória.

Sabes que o que eu sinto por ti supera qualquer coisa, supera tudo e todos, não sabes meu amor?

6 comentários:

Marianaa disse...

AMO AMO AMO(-TE) ! <3

Inês disse...

que lindo (:

Maria Oliveira disse...

oh muito obrigada :)

Viagem Sem Retorno disse...

Gostei...

Aproveito para deixar o endereço do meu blog http://viagemsemretorno.blogspot.com/

- anaajorge - disse...

está LINDO LINDO LINDO LINDO baguette, amei mesmo (LL)

- anaajorge - disse...

escreves bem bem , MAS BEM melhor que eu ;o
i <3 u baguette , sp sp (LL)